Curte ai...


Here you are enjoying whith friends at www.rockelestino.blogspot.com.

Thanks for all to see friends from other countries who visit my blog...
Visite também o link "UM POUCO DA HISTÓRIA DO ROCK"... E o link "Divulgando e divagando no Rock.
View too my link "UM POUCO DA HISTÓRIA DO ROCK"... And the link "Divulgando e divagando no Rock."
Entre e me siga...
Enter and Follow me.
Quem fizer download ao menos deixe um comentario.
Who you download at least leave a comment.
.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Enquanto não posso voltar a postar pense nisso...


Vai transar ?


O governo dá camisinha.

' Já transou ?

O governo dá a pílula do dia seguinte.

' Teve filho?

O governo dá o Bolsa Família.

RESOLVEU VIRAR BANDIDO E FOI

PRESO ?

O GOVERNO DÁ O AUXÍLIO RECLUSÃO.

Todo presidiário com filhos

tem direito a uma bolsa de R$862,11 [ ' por filho ' ] .

Agora experimenta estudar e andar na linha pra ver o que é que te acontece!

Salário mínimo R$545,00. ' Se você é brasileiro passe adiante...

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Dimmu Borgir - Abrahadabra - 2010 (Extremely Recommended.)

Dimmu Borgir - Abrahadabra - 2010 (Extremely Recommended.)


O Dimmu Borgir é hoje uma das principais bandas de Symphonic Black Metal e Black metal melódico Norueguês sendo conhecidos pelos seus virtuosos arranjos de teclados, agressividade e qualidade. A formação ficou completa quando Stian Aarstad assumiu os teclados e Brynjard Tristan o baixo. No ano seguinte 1994, Lançam Inn I Evighetens Mørke um EP tornando a banda conhecida por toda a Europa . No mesmo ano 1994, lançaram um segundo EP For All Tid e foi considerada uma das principais bandas de Black Metal Norueguês. Em 1996 lançaram o seu primeiro álbum de estúdio, Stormblåst. Nesse mesmo ano, a banda sofre uma mudança na sua formação saíndo Brynjard Tristan e entrando Nagash. É depois lançado o terceiro EP Devil’s Path. No ano seguinte lançaram Enthrone Darkness Triumphant sendo este álbum marcado por melodias de um tom mais comercial, surgindo logo as críticas de a banda se ter vendido. Ainda hoje, os mais puristas do Black Metal continuam a criticar a banda, apesar de esta manter sempre a agressividade. Fonte (Last FM) http://www.lastfm.com.br/ Visitem la também galera que tem muita coisa bacana, té mais meu povo.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Crazy Mabel - Crazy Mabel - 1971. Live. (Highly Recommended.)

Crazy Mabel - Crazy Mabel - 1971. (Live)(Highly Recommended.)
Isso ai pessoa, depois de um tempo afastado to voltando a postar devagarinho... Agora trago a vocês essa banda da decada de 70, cuja historia pouca coisa se sabe. Essa é uma banda Inglesa, porém esse disco foi gravado na Alemanha. E segundo dados explorados no blog do meu amigo Dagon, essa banda ate fez apresentações por Holanda, Suiça, Noruega e cláro a própria Alemanha onde foi gravado o disco. Cheguei a ouveir o disco, e o ue posso dizer é que é muito diferente mesmo, não é nenhum fenômeno bombastico mais com certesa vale a pena baixar e conferir porque é bom, eu pelo menos sdorei o som dos caras. Té mais fiotada... Comentar não doe heim... Esperimenta pra vocês verem kkkkk.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Terence Trent D'Arby - 1987 - Introducing The Hardline ( Highly Recommended.)

Terence Trent D'Arby - 1987 - Introducing The Hardline ( Highly Recommended.)

Sananda Francesco Maitreya, nascido Terence Trent Howard em New York aos "15 de março de 1962", mais conhecido por seu antigo Nome artístico Terence Trent D'Arby, é um cantor, Compositor Estado-unidense. Ele é reconhecido pela marca registrada de seus vocais, que lembram os de Sam Cooke, e pelo fato de que, tal como os artistas: Stevie Wonder, Todd_Rundgren e Prince antes dele, produz seus próprios álbuns e toca a maioria dos instrumentos. Certo pessoas, seguinte, o que tenho pra falar é que esse cara canta muuuito. Ele tem o dom de colocar sentimento  na canção e é muito bom ouvir esse disco que tem musicas que eu gosto desde minha infancia, recomendo a que encontrar que compre o origial pois vale a pena ter em casa. Té mais fiotada.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Beneath - Hollow Empty Void - 2010. (Highly Recommended.)

Beneath - Hollow Empty Void
Galera tai uma banda que eu ainda não sei praticamente nada além de que é muito bom...
Aliás, sei que esse disco foi lançado em 2010 e que a banda é Islandesa. Além disso não sei mais nada,
agradeço ao meu amigo Paulão lá da cidade de Bebedouro em São Paulo que me passou esse e outros discos maravilhosos. É isso ai meu povo, compartilhar é o que rola, abraços, e podem baixar esse disco sem medo que vai agradar com certesa.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Detroit - Detroit (1972). (Extremely Recommended.)

Detroit - Detroit (1972). (Extremely Recommended.)
Produzido por Bob Ezrin e gravado em Toronto, Detroit foi um belo exemplo do "High Energy" bandas saindo de Michigan, como MC5, The Stooges ou Frost. Formada por Mitch Ryder e seu fiel baterista John Badanjek, com Phillips e Cook (ambos ex-Cat), Steve Hunter e Ed Dirty, sua música era uma poderosa mistura de hard rock e rhythm and blues. Seu material variou de cortes original escrita por Ryder e Badanjek, para capas de Let It Rock, Rock 'n' Roll de Lou Reed e eu Wilson Pickett's Found A Love. Erzin e Steve Hunter, mais tarde, trabalhar com Lou Reed e Alice Cooper. Grande álbum de rock n 'roll, com os vocais clássicos de Mitch Ryder e guitarra matador de Steve Hunter. Grande versões cover de "Rock and Roll", "Gimme Shelter" e "Let It Rock" e originais grande "I Found a Love". Entao Fica nisso meus bons e queridos amigos... Ta ai um excelente disco, e quando digo que o disco é excelente vocês já sabem... Comprem o originaaaal se possivél ou serão azarados por 7 encarnações rsrsrs. Este Post eu dedico pra minha amiga Lady Rock que tem um Blog loquissimo (Rock For Women http://rockforwomen.blogspot.com/ ) um abração pra vocè Lady. Long live rock n roll.


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Lich King - Toxic Zombie Onslaught. (Extremely Recommended.)

Lich King - Toxic Zombie Onslaught. (Extremely Recommended.)
Ai pessoas... Jeff celestino de volta postando algumas coisinhas básicas pra vocês seres Rockers. Seguinte, meu blog tava meio abandonado por falta de net em casa, mais me decidi a manter um certo nivel de postagens, mesmo estando aqui no trabalho. E já que é pra manter um nivel de postagens satisfatório... Tenho que manter tambem um nivél de qualidade musical, e justamente por isso eu decidi postar esse petardo pouco conhecido mais de altissimo bom gosto e peso... Essa banda é irada, tem uma musica que traz uma faixa que tem um dos maiores titulos que eu ja vi: Attack Of The Wrath Of The War Of The Death Of The Strike Of The Sword Of The Blood Of The Beast.
  E como se não bastasse o nome a musica em si é uma verdadeira bomba... Recomendo a todos, e aqueles que acharem o disco original, compre que com certesa vale cada centavinho... Té mais pessoas.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Ratos de porão - Feijoada Acidente - 1995. (Extremely Recommended.)

Ratos de porão - Feijoada Acidente - 1995. (Extremely Recommended.)
Feijoada Acidente? é uma série de álbuns cover lançado pela banda de hardcore punk brasileira Ratos de Porão. Lançado pela Roadrunner Records, o álbum contém duas versões, uma com covers de bandas punks brasileiras e outra com bandas punks internacionais contendo um tributo para as bandas que os influênciaram. O título é uma paródia a The Spaghetti Incident?, disco do Guns N' Roses, lançado na época. A versão nacional contém regravações de músicas antigas da banda.


Crash Test Dummies - God shuffled his feet - 1993. (Recommended.)

Crash Test Dummies (can) - 1993 - God shuffled his feet
God Shuffled His Feet é o segundo álbum de estúdio da banda Crash Test Dummies, lançado a 26 de Outubro de 1993. O disco atingiu o nº 4 do Heatseekers e o nº 9 da Billboard 200. O single de mais sucesso do disco foi "Mmm Mmm Mmm Mmm" e atingiu o nº 25 do Mainstream Rock Tracks, o nº 1 do Modern Rock Tracks, o nº 4 do Billboard Hot 100 e o nº 6 do Top 40 Mainstream.



domingo, 7 de novembro de 2010

SEM NET É FODA.

Amigos, obrigado por continuarem a freguentar meu blog, mesmo sem eu ter
como atualiza-lo srsrsrsss... Em breve estarei de volta com muitas surpresas.
Té mais pessoas.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Excel - Personal Onslaught - (DEMO 1985- Very Recommended)

Excel - Personal Onslaught - (DEMO 1985)

1985 teve algumas bandas promissoras e olhando para trás, parece oh-assim-óbvio que a coisa toda HC tinha chegado ao fim de uma forma (eu acho que eu usei exatamente a mesma frase em alguns outros postagem já, haha). Ou melhor ainda, não havia novas bandas que vem, com um novo som. EXCEL a partir de Veneza, na Califórnia., Era um deles, recebendo um monte de hype do Suicidal Tendencies companheiro. Após o lançamento desta demo oficial em primeiro lugar, todos estavam esperando ver um futuro glorioso para a banda! Eu não me lembro as faixas de "Welcome to Venice" muito bem e bate-me se eles foram registrados antes do presente, mas com certeza foram mais fracas, para "Personal Onslaught" tornou-se muito bem se tornaram a  referência do EXCEL.

 "Split Image" ainda é a segunda melhor música deste demo. "Insegurity" é uma música muito bem também, "See to you" tem um pouco de um refrão chato, mas há musicas que ainda é um inferno de uma música e sem a menor dúvida, a melhor pista sobre essa fita. Eu não tinha jogado em um tempo muito longo, e quando eu arranquei-o para este post, fiquei um pouco decepcionado com a qualidade do som. Eu tinha lembrado que a fita seja um esforço soberbamente gravado, mas, infelizmente, não é assim.
Abanda esteve de volta no final de 85 ou 86 primeiros, ordenou uma T-shirt e tem uma segunda demo tape com o pedido. Ele disse: "Não copie" na fita, mas um dia ou outro, você vai querer ouvir também.
 O LP que saiu em '88, como tem um monte de atenção, mas não foi muito bem recebido. Ele tinha um som muito estéril e não era tão técnico em musicalidade de composição, como eu esperava dele. Na verdade, é um álbum bastante primitivo umpa umpa com pouca variedade, mas ao longo dos anos, ele ainda cresceu em mim. Foi o último que eu já ouvi dessa banda.


sexta-feira, 17 de setembro de 2010

W.A.S.P - Dominator - 2007.

W.A.S.P - Dominator - 2007.
Dominator é o décimo terceiro álbum de estúdio da banda americana de heavy metal  WASP , foi lançado em 2007 . A liberação E.U. foi originalmente planejado, mas o negócio caiu completamente rótulado. Covers de Burn pelo Deep Purple e Fortunate Son por Creedence Clearwater Revival foram incluídas na trilha anunciada originalmente, mas foram retiradas do corte final do álbum. Dominator baseia-se na actual política externa americana.


quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Aeroblus - Aeroblus - 1977. (Very Recommended.)

Aeroblus - Aeroblus - 1977. (Very Recommended.)
  Antes de criticar um bloqueiro Analíse... Bandas boas de rock da Argentina... Que dia vc escutaria se naum fosse graças a nós que corremos atráz e divulgamos sempre o melhor ro rock mundial de graça pra vocês? E do outro lado, você que faz parte de uma banda e que se sente lesado por ter seus trabalhos espostos aqui... Se eles naum tivessem expostos aqui, onde vc achar que ele estaria sendo divulgado nesse momento à longo alcance... Pensou... Então agora pense duas veses antes de falar mau de quem faz de tudo pra levar coisas boas a quem se interessa, e ao mesmo tempo divulga artistas aos cantos mais desprentendidos do mundo... Exemplo, Aeroblus... Nem eu mesmo conhecia nada dessa banda, entáo um amigo tambem bloqueiro me apresentou e eu adorei... Se antes disso tivesse show deles de graça sinceramente ue não ia por puro desconheimento de obra... Agora que já conheço e sei que é muito bom meeesmo, se uma dia tiver a oportunidade de ir ao um show com certesa eu vou e mais... Se eu achar um disco original por aqui eu compro tambem... Mais ai vem outro detalhe...Pirataria e postgens em blog nao podem... Mas discos originais com o trabalho dos caras não aparecem por aqui... O que fazer??? Ostracismo??? Pensem ai e depois me respondam. Enquanto isso confiram esse excelente trabalho dos Hermanos do Aeroblus. Té mais pessoas.


sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Live - Throwing Cooper - 1994.

Live - Throwing Cooper - 1994.
Throwing Copper é um álbum de 1994 lançado pela banda de rock alternativo norte-americana Live . Foi produzido por Jerry Harrison dos Talking Heads e foi gravado no estúdio de gravação Pachyderm . A arte da capa é uma pintura de escocesa artista Peter Howson intitulado Sisters of Mercy.  Até agora, o álbum já vendeu mais de oito milhões de cópias nos Estados Unidos . Este disco faz parte da lista dos 200 discos definitivos da historia do rock, e com certesa eu recomendo que tenha um Original em sua coleção, como forma de valorização do artista e tambem de ampliação de seu historico sagrado de musica boa rsrss.


quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Devotos - Agora ta valendo - 1997 . (Highly Recommended.)

Devotos - Agora ta valendo - 1997 . (Highly Recommended.)
Agora tá Valendo é o primeiro álbum da banda brasileira de hardcore Devotos, lançado em 1997. Produzido por Lúcio Maia (Guitarrista da Nação Zumbi). A Devotos acaba de lançar o CD com o show de 20 anos da banda. Enquanto o DVD, que foi gravado no Alto José do Pinho, não sai, eles resolveram dar de presente para os fãs toda a discografia para download. Tem desde o primeiro disco, “Agora tá Valendo” – que saiu só quando completaram 10 anos de estrada, com show do Man or Astroman – até esse lançamento mais recente. No site oficial da banda é possível fazer a degustação faixa-a-faixa até dos EPs e demos de Cannibal, Celo e Neilton


segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Stryper - Murder By Pride - 2009. (Highly Recommend.)

Stryper - Murder By Pride - 2009. (Highly Recommend.)
Pessoas, ai esta mais uma daquelas super bandas que graças ao preconceito não está no posição e no lugar na história d rock que eles merecem. Isso mesmo to falando da banda de rock evangélico Stryper, precursora do estilo, e na minha opiniao uma das mais fodas do metal em geral. Eles estáo devolta a ativa e lançaram esse petardo ai que foge um pouco do estilo STRYPER de fazer rock, mais os caras sáo táo bons que sabem fazer rock de altissima qualidade em qualquer estilo. E nesse disco onde eles fazem uma espécie de releitura de padrões atuais do rock, eles au mesmo tempo mantém a pega forte e a levada boa que so Stryper sabe fazer. Recomendo esse disco a todos e de preferencia que adiquiram o original porque eu com certesa tambem quero ter o meu o mais rápido possivel. té mais fiotes e fiotas... kkkk...


domingo, 5 de setembro de 2010

Megadeth - Peace Sells... But Who's Buying - 1986. (Mega Recommended. rsrsss)

Megadeth - Peace Sells... But Who's Buying - 1986. (Mega Recommended. rsrsss)
Peace Sells... but Who's Buying? é o segundo álbum de estúdio da banda de thrash metal americana Megadeth e fala sobre guerras. Sua capa tem o mascote da banda "Vic Rattlehead" com uma placa na mão escrito For Sale (a venda). Dave Mustaine quis dizer que a ONU estava se vendendo na época. Todas as letras foram feitas por Mustaine, exceto "I Ain't Superstitious". Em 2002, foi lançado novamente, mas todas as músicas foram remixadas. O modelo escolhido foi em DVD Áudio 5.1. A faixa "Peace Sells" atingiu o 11º lugar no VH1 40 Greatest Metal Songs



sábado, 4 de setembro de 2010

Dust - Hard Attack - 1972. (Highly Recommended.)

DUST - Hard Attack - 1972. (Highly Recommended.)
Aos amantes do hard rock sententista, mais uma pérola do mundo do rock n' roll. O segundo album dessa magnifica banda de hard dos anos 70, Assim como Captain Beyond, Warhorse, Andromeda e muitas outras bandas hard maravilhosas da virada dos anos 60 para os 70, o Dust também teve uma carreira meteórica, lançando apenas dois discos, muito pouco para uma banda brilhante e cheia de idéias legais para desenvolver. Um ponto muito interessante nesse "Hard Attack" (1972) é que o Dust não tinha uma preocupação excessiva em fazer um som pesado, pelo contrário, "So Many Times" tem até uma dobradinha muito bacana de guitarra e violão, sem comprometer o resultado final para quem gosta de peso. Somado a isso, temos a voz de Richie Wise, dono de um timbre muito bonito (ouça a belíssima "Thusly Spoken", por exemplo), o baixão quadrado de Kenny Aaronson e a batera certeira de um tal Marc Bell, que achou melhor mudar o nome alguns anos depois para Marky Ramone, depois que juntou-se aos Ramones. Minha velha fitinha K7 já rodou muito dentro do walk man quando eu ia de bicicleta para a casa de minha minha mulher, namorar. Toda vez que passava em frente ao bar do Sapinho estava rolando "Learning To Die". Dava uma vontade de parar e tomar uma cerveja! É engraçado, mas imagine o Oswaldo Montenegro cantando em uma puta banda de hard... "Learning To Die" é mais ou menos isso. Sem perder o pique, vem "All In All" com um baixão palhetado, a batera virando todas e Richie Wise cantando muito. Rock and roll meu velho. "Suicide" é para bater cabeça, com os caras mais uma vez cheios de raiva para canalizar através de sua música. Nem sei onde esses caras foram parar depois que o grupo se desfez. Aliás, se você tiver alguma informação, complemente essa resenha...



quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Diablo Swing Orchestra - Borderline Hymns - 2003. (Recommended.)

Diablo Swing Orchestra - Borderline Hymns - 2003. (Recommended.)
Borderline Hymns é o 1° EP lançado pela banda suéca, de Avantgarde Metal, Diablo Swing Orchestra, em 2003. Pessoas gostei muito dessa banda que tem um som bem diferente. agradecendo sempre a Laiz Cerqueira a gata que me apresentou esse som, e é assim mesmo pessoas, vivendo e aprendendo rsrsss... Té mais amigos. se possivel pelo menos comentem seu ingratos kkkkkk.


terça-feira, 31 de agosto de 2010

Ross - Tha Pit and Pendulum - 1975. (Highly Recommended.)

Ross - Tha Pit and Pendulum - 1975. (Highly Recommended.)

Pessoas esse é mais um excelente abum raridade que poucos conhecem, e que eu com certesa recomendo.É um albúm conceitual como poucos, até quem não curte albúns do estilo vai gostar... Como esse disco original gira em torno de $ 250,00 e não tem no Brasil para a venda, fica meio dificíl ter esse disco original em casa, mas se você nasceu com a bunda virada pra lua e tem a oportunidade de ter esse Disco original então acho que deve conferir. Enquanto isso... É so clicar e agradecer nos comentários seus ingratos rsrss...


segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Módulo 1000 - Não Fale Com Paredes - 1972. (Ultra Recomended.)

Módulo 1000 - Não Fale Com Paredes - 1972. (Ultra Recomended.)

Módulo 1000 é o nome de uma banda de rock progressivo brasileira da década de 70, formada por Luiz Paulo Simas (órgão, piano e vocal), Eduardo Leal(Baixo), Daniel Cardona Romani (Guitarra e vocal) e Candinho (Bateria). O Módulo 1000 foi um grupo de progressivo carioca, formado em 1969, que teve breve duração. O quarteto seguia uma linha pesada com nítidas influências de Black Sabbath e toques de psicodélicos a la Pink Floyd. O Módulo 1000 teve em seu currículo a participação no V Festival Internacional da Canção e o lançamento de um único álbum em 1972, que hoje é um valioso ítem para os negociantes de LPs raros. Na década de 90, um colecionador de discos do Rio de Janeiro comprou os direitos do Módulo 1000 junto a Top Tape e transformou o LP em CD com um número limitado de cópias. O CD saiu pela Zaher Zein/Projeto Luz Eterna. Na Europa o disco - Não Fale Com Paredes - tornou-se um clássico. "Não Fale Com Paredes", o único álgum da banda, um exercício de criatividade instrumental, marcada por riff's marcantes de guitarra que, hoje, pode-se nivelar aos melhores discos do gênero produzidos no país e no exterior. "Turpe Est Sine Crine Caput", cantada em latim, com um impressionante trabalho de guitarra, abre o disco mostrando o que vem pela frente. "Não Fale Com Paredes", com parte da letra de Vitor Martins ("Uma pessoa/É uma figura/É uma imagem/Numa moldura"), em clima de quase hard-rock à la Grand Funk Railroad, expõe a face mais pesada do grupo. E "Espelho" é uma viagem acústica, com vocais suaves, que lembra um pouco a sonoridade dos Mutantes. Um aviso na capa do LP reflete a preocupação do grupo com a qualidade de produção: "o tempo de duração de cada face do disco foi limitado a 16 minutos para proporcionar uma excelente reprodução sonora". Objetivo alcançado, pois ainda hoje causa surpresa aos novos ouvintes o resultado final do disco, gravado com as conhecidas condições técnicas nacionais de trinta anos atrás. E por jovens que tinham idade média de 20 anos. "Não Fale Com Paredes" também é assíduo frequentador das "wanted lists" (os mais procurados) de colecionadores internacionais de discos raros de música psicodélica e progressiva. Sua capa (em detalhe) está no livro "2000 Record Collector Dream", do austríaco Hans Pokora, e uma de suas músicas - "Lem-Ed-Êcalg (Glacê de Mel, ao contrário) - integra a coletânea "Love, Peace & Poetry - Latin American Psychedelic Music", ao lado da também brasileira "Som Imaginário". Mesmo assim, a sina de "Não Fale Com Paredes" parece ser permanecer no anonimato. Remasterizado, com capa original de papel e encarte com as letras, ganhou versão em CD, sem que ninguém tenha se dado conta. Originalmente gravado pela Top Tape, a reedição caprichada, limitada e provavelmente esgotada é da Zaher Zein/Projeto Luz Eterna.
Pessoas esse texto é de Fernando Rosa, originalmente publicado na revista ShowBizz. Essa é uma postagem mais do ultra recomendada... Que tiver a possibilidade de comprar um disputadissimo e carissimo disco dessa banda que faça isso, Venda os filhos, o cachoro e algue a espeosa mais não deixe de ter essa relíquia original em sua casa. Até mais pessoas.
 


Cactus - One Way Or Another - 1971. (Extremely Recommended.)

Cactus - One Way Or Another - 1971. (Extremely Recommended.)
Cactus é um supergrupo americano de hard rock formado em 1970. Cactus foi inicialmente concebido logo final de 1969 pelo Vanilla Fudge em uma seção rítmica do baixista Tim Bogert e o baterista Carmine Appice , com o guitarrista Jeff Beck e o cantor Rod Stewart (também do já dissolvido The Jeff Beck Group ). No entanto, Beck sofreu um acidente de automóvel e estava fora da cena musical há mais de um ano e Stewart se juntou a Ronnie Wood , em Faces . Nos inicios de 1970 Bogert e Appice e trouxe o guitarrista de blues Jim McCarty de Mitch Ryder 's Detroit Wheels e The Buddy Miles Express, e do cantor Rusty Day (nascido Russell Edward Davidson) de Amboy Dukes . Este line-up conseguiu três álbuns ( Cactus , One Way ... Or Another e Restrictions ) antes que os problemas interbanda McCarty levou a desistir no final de 1971. Pouco depois do dia foi demitido do grupo. O quarto e último álbum Cactus ( 'N' Ot 'suado ) apresentou o original da seção rítmica Bogert e Appice se juntou por Fritzschings Werner na guitarra, Duane Hitchings nos teclados e francês Peter (ex- Leaf Hound e Atomic Rooster ) nos vocais.

Pessoas é o seguinte, ouvi essa banda e de primeira adorei o som dos caras, resolvi postar pra vcs cnhecerem e somente agora durante o processo de pesquisa que eu vi que essa banda surgiu de uma outra banda que eu adoro que é o Vanilla Fudge. So de ter o Carmine Apice e os menbros do Vanilla ja seria maravilhoso... Recomendo a todos literalmente falando, e aqueles que tiverem a sorte unica de achar algo dessa banda que compre  original ou então vc vai ter 7 vidas de azar rsrsss


Rhapsody - Legendary Tales - 1997. (Very Recommended.)

Rhapsody - Legendary Tales - 1997.(Very Recommended.)
Legendary Tales é o primeiro álbum da banda italiana de power metal Rhapsody (conhecida atualmente como Rhapsody Of Fire, devido a problemas com direitos autorais). Foi lançado em 1997. É o álbum de início da "Emerald Sword Saga".

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Sigma 5 - Initium - 1998. (Recommended.)

Sigma 5 - Initium - 1998.
Yeah My Dear... Galera é o seguinte, essa banda me foi uma grata surpresa. Som de muita qualidade,  técnica, estilo próprio em tudo,letras originais e carregadas de regionalismo, e ainda um vocalista que se naum é dos melhores da musica, pelo menos canta com sua voz natural sem querer imitar ninguem, ou adotar os clássicos timbres de voz quue geralmente dominam na maioria das grandes bandas, o que por si só já faz com que seja, melhor do que muitos daqueles que cantam maravilosamente bem, mais que não são capazes de usar o tom natural de voz. O que automaticamente me remeteu à Marcelo Nova que nunca quiz ficar fazendo "vozinha" pra agradar ninguem... Só que nem mesmo com Marcelo Nova eles soam. Ou seja, é realmente uma banda diferente e muito boa, que eu com certesa recomendo que vocês confiram. Curtam, prestigie essa bandas nos shows e se possivel quando ver um disco deles por ai dando sopa comprem o original porque com certesa é um excelente trabalho e gostoso pacas de se ouvir. Até mais pessoas.


quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Alkana - Welcome To My Paradise - 1978. (Highly Recommended.)

Alkana - Welcome To My Paradise - 1978. (Highly Recommended.)
Outra banda totalmente obscura, Alakana, foi um veículo para os talentos da guitarra de Danny Alkana. De acordo com os arquivos do Acid website: "Esta procurada raridade hard rock foi lançado em 1978, mas soa como um início dos anos 80. Possui o tipo de voz alto e guitarra simplificada, que logo tomaria sobre o mundo do rock hard mainstream". A maioria deste álbum é bastante normal guitarra material chamativo macho, melhor do que a maioria de sua espécie, mas nada de especial a não ser que você seja um fã do gênero. O que torna o álbum especial é a de 11 minutos "The Tower", um épico que incorpora tudo o que é bom sobre o gênero: guitarra melódica conduz, um coro impressionante, uma mudança suave de suave para pesada depois de alguns minutos da canção. É um clássico, eo resto dos ganhos álbum recurso interposto pela associação com ele. capa do álbum Pretty também . Alkana Danny era antigamente com o Cock Robin, uma banda local que, às vezes caracterizado lenda Misunderstood Glenn Ross Campbell. Mais tarde, ele teve algum sucesso no inspirado circuito de guitarras usando metal.


domingo, 15 de agosto de 2010

Mamonas Assassinas - Mamonas Assassinas - 1995. (Ultra Recommended.)

Mamonas Assassinas foi uma banda brasileira de rock cômico e punk rock, com influências de gêneros populares tais como forró, sertanejo, além de heavy metal, rock progressivo e música portuguesa. Cuja carreira durou de Julho de 1995 até 2 de março de 1996 (7 meses), mas não só a morte como também o sucesso foi meteórico e estrondoso. Seu único álbum de estúdio, Mamonas Assassinas,lançado em julho de 1995 vendeu mais de 2 milhões de cópias no Brasil, sendo certificado com Disco de Diamante em 1995, comprovados pela ABPD. Tornaram-se um grande sucesso com seu humor em meados dos anos 90, vendendo mais de 2,5 milhões de cópias de seu álbum homônimo de estreia e único de estúdio, graças ao sucesso de temas como "Pelados em Santos", "Robocop Gay", "Vira-Vira", "1406" e "Mundo Animal". No auge de suas carreiras, os integrantes da banda foram vítimas de um acidente aéreo fatal. Em 2010, será lançado o documentário Mamonas, o Doc, de Cláudio Kahns, sobre a trajetória da banda. Em março de 1989, Sérgio Reoli, ao trabalhar na Olivetti, conhece Maurício Hinoto, irmão de Bento. Ao saber que Sérgio é baterista, Maurício decide apresentar o irmão, que toca guitarra. A partir daí, Sérgio conhece Bento e decidem criar uma banda. Na época, Samuel Reoli, irmão de Sérgio, não se interessava em música, preferindo desenhar aviões. De repente, porém, se envolveu com a música e passou a tocar o baixo elétrico com os Sérgio e Bento. Os três formaram o grupo Utopia, especializado em covers de grupos como Legião Urbana, Titãs e Rush. Em um show, o público pediu para tocarem uma música dos Guns N' Roses, e como não sabiam a letra, pediram a um espectador para ajudá-los. Alecsander Alves, conhecido como Dinho, voluntariou-se para cantar e provocou grandes risadas da platéia, com sua performance escrachada, garantindo o posto de vocalista da banda. Através de Dinho, entrou o último integrante, o tecladista Júlio Rasec. O Utopia passou a apresentar-se na periferia de São Paulo, e lançou um disco que vendeu menos de 100 cópias. Aos poucos, os integrantes começaram a perceber que as palhaçadas e músicas de paródia eram mais bem recebidas pelo público do que os covers e as músicas sérias. Começaram introduzindo algumas parodias musicais, com receio da aceitação do público. Através de um show em uma boate em Guarulhos (SP), conheceram o produtor Rick Bonadio. Decidiram, então, mudar o perfil da banda, a começar pelo nome, "Mamonas Assassinas do Espaço", criado por Samuel Reoli e reduzido para "Mamonas Assassinas". A banda enviou uma fita demo com as músicas "Pelados em Santos", "Robocop Gay" e "Jumento Celestino" para 3 gravadoras, entre elas a Sony Music e a EMI. Rafael Ramos, amigo da banda, baterista da banda Baba Cósmica e filho do diretor artístico da EMI, João Augusto Soares, insistiu na contratação. Após assistir uma apresentação do grupo em 28 de Abril de 1995, João Augusto resolveu assinar contrato com os "Mamonas". Após gravar um disco produzido por Rick Bonadio (apelidado pela banda de Creuzebek), os "Mamonas" saíram em imensa turnê, apresentando-se em programas como Jô Soares Onze e Meia, Domingo Legal (ambos no SBT), Domingão do Faustão, Xuxa Park (ambos na Rede Globo) e tocando cerca de 8 vezes por semana, com apresentações em 25 dos 27 estados brasileiros e ocasionais dois shows por dia. O cachê dos "Mamonas" tornou-se um dos mais caros do país, variando entre R$50 e 70 mil, e a EMI faturou cerca de R$80 milhões com a banda. Em certo período, a banda vendia 100 mil cópias a cada dois dias. Os "Mamonas" preparavam uma carreira internacional, com partida para Portugal preparada para 3 de Março de 1996. Porém em 2 de Março, enquanto voltavam de um show em Brasília, o jatinho Learjet em que viajavam, prefixo LR-25D - PT-LSD, chocou-se contra a Serra da Cantareira, numa tentativa de arremeter vôo, matando todos que estavam no avião. O enterro, no dia 4 de Março, fora acompanhado por mais de 65 mil fãs.


Zenith - Zenith - !988. (Extremely Recommended.)

Zenith - Zenith - !988. (Extremely Recommended.)
Galera é o seguinte, conheci essa banda ontem então como ainda não sei muito sobre a história dela, so sei que é uma das melhores banda que eu já ouvi atpe hoje em questão de musica, letra e estilo... Resolvi deixar o texto orginal de uma postagem feita no blog "Combi do Iommi". Já que o cara saca mais dos caras do que eu, nada mais justo que diser que o texto aseguir é dele embora o Disco eu tenha recebido do meu amigo Paulão da do Blog "A Ferro E Fogo.".
O texto que ta no blog "Combi do Iommi" diz o seguine:
O Zenith é mais uma daquelas bandas de Hard Rock/Aor que lançaram um único disco no final dos anos 80 com muita garra e qualidade de sobra. A única coisa que diferencia essa banda é que ela foi formada no Brasil, mais precisamente em Mogi Guaçu, em São Paulo. Chegaram a fazer um certo sucesso no final dos anos 80 na região de Campinas, mas nunca conseguiram muito mais que isso. O que você vai encontrar por aqui são 8 músicas muito sólidas, com boa produção, boa base de teclados marcando sempre presença, baixo bem presente, bateria bem ousada com ótimas viradas, show a parte por conta do guitarrista e vocal se mostrando perfeito para a proposta da banda - aquele típico Hard/Aor que as bandas escandinavas sabem fazer bem -, sem esquecer os refrães grudentos e letras todas em português. Não há muito o que se falar dos sons aqui presentes, confesso a vocês que me falta até palavras para descrever, sem exageros, um dos melhores discos brasileiros que já escutei. Todo o disco por si só é perfeito. Apenas posso dizer que o play passeia por canções mais calmas e mais pesadas, porém nada de baladinhas melosas, até as mais calmas mostram todo o peso da banda. Dou destaques à faixa de abertura, 'Dama da Escuridão', que abre o play mostrando que a banda não está para brincadeira, com pegada forte por parte do batera, teclados por toda parte e grande refrão que já vai te fazer sair cantando por aí; 'Muros', que de começo nos faz lembrar da fase 'Out Of This World' do grande Europe, principalmente pelo destaque dos teclados; 'Estrelas Foscas' que é mais uma de peso, com melodia incrível, vocal perfeito e refrão, como uma boa banda de Aor, bem presente; e 'Asas', faixa que obteve alguma repercurssão pelas rádios na época. Sem mais o que falar, os apresento um raríssimo disco brasileiro, cantado em português, de Hard/Aor de extrema qualidade, que com certeza não pode faltar na sua coleção.


Programação da Rádio A Ferro e Fogo. (DOMINGOS.)

8H JEFF ROCK CELESTINO
10H BODE METAL - HARD ROCK SPECIAL
12H KAMIKAZES DO ROCK - PAULÃO ATITUDE O MELHOR DO HARD METAL E EXTREMO DO BRASIL
14H VISUAL AGRESSION COM RICARDO CHAKAL
16H RECRUTA POWER METAL
18H HEAVY METAL DAYS COM AS BANDAS DE MANAUS - COMANDO PAULÃO ATITUDE
20H BOB RIOT REVOLUTION - HARD E HEAVY NA VEIA
22H GUARANA METAL - THRASH METAL COM HUGO GUARANÁ
http://rockmetalbrasil.listen2myradio.com/
AJUDE A DIVULGAR MANDANDO ESSE RECADO PARA SEUS AMIGOS DE ORKUT

sábado, 14 de agosto de 2010

Velhas Virgens - Senhor Sucesso - 1999. (Very Recommended.)

Velhas Virgens - Senhor Sucesso - 1999. (Very Recommended.)
Velhas Virgens é uma banda brasileira de rock que tem como característica letras irreverentes, geralmente com assuntos sexuais e alcoólicos. Suas apresentações costumam ressaltar sua opinião política. Proveniente de São Paulo (capital), o grupo tem dez discos lançados e, gradualmente, tem tomado espaço no cenário musical Brasileiro. Em 1986, "Paulão" de Carvalho que já tinha tocado na banda "Beba Cerveja E Seus Copos Quebrados", que era o esboço do que se tornaria a atual Velhas Virgens, conhece Alexandre "Cavalo" Dias. Inicialmente, Paulão tocava baixo e Cavalo guitarra. Chamaram os amigos Rick para assumir a bateria e Celso - irmão do Paulão - para os vocais. Até o final da década de 1980 tocaram em vários lugares, mudando diversas vezes de baterista durante esses anos. Na virada da década, o vocalista Celso deixa a banda só restando os fundadores, mas logo apareceu Mário Sérgio "Lips Like Sugar" para assumir definitivamente o comando da bateria. Paulão assume os vocais e a gaita, deixando o posto de guitarrista para o recém-chegado Fabiano. Com essa mudança de formação, a banda passou a flertar mais com o Blues. Gravaram algumas demos e fizeram diversas apresentações. O ano de 1993 marca a saída de Fabiano. Quem assume seu lugar na guitarra é Caio "The Kid" Andrade. É gravado em 1994 e lançado no ano seguinte o primeiro álbum, intitulado de Foi Bom Pra Você?. Já neste primeiro trabalho está contida uma característica que surgiu na banda a partir de 1990: as letras escrachadas falando basicamente de mulheres, cerveja e Rock 'n Roll. Outra marca do grupo foi chamar artistas consagrados para participar de algumas canções. Na estréia encontram-se as presenças de Pit Passarell do Viper, Oswaldo Vecchione do Made In Brazil, Eduardo Araújo da Jovem Guarda e Marcelo Nova do Camisa-de-Vênus. Um disco de estréia bem aceito pelos fãs, com sonoridade voltada para o Rock 'n Roll clássico e Blues e músicas como "Minha Vida é o Rock 'n Roll", "Cerveja na Veia", "Só Para Te Comer", "Excesso de Quorum" e "De Bar em Bar Pela Noite", essa com a participação de Marcelo Nova. Nesse mesmo ano a dançarina Cláudia Lino passa a acompanhar a banda nas apresentações. Em 1996, as Velhas Virgens assinam com a gravadora Velas, da qual o cantor Ivan Lins é um dos sócios. Também em 1996, a entrada do baixista Edu Gago faz com que Paulão se dedique somente aos vocais e a gaita. O segundo disco "Vocês Não Sabem Como é Bom Aqui Dentro" é lançado ainda em 1996. Trazendo mais convidados ilustres como Roger do Ultraje a Rigor, que canta com Paulão a sádica "Mulher do Diabo", que conta ainda com a presença do baixista ex-Ultraje Serginho Petroni. Rita Lee, que já havia escrito a apresentação do primeiro disco, aparece aqui para cantar a saga noturna de bebedeiras na "Beijos de Corpo". O guitarrista Sérgio Hinds da banda O Terço deixa sua marca em "Pão Com Cerveja". Destacam-se ainda as canções "Já Dizia o Raul", "Vocês Não Sabem Como é Bom Aqui Dentro", a balada Blues "Não Vale Nada", entre outras. 1997 é um ano de estrada e fazem mais de 50 concertos pelos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Até que Lips sofre um acidente de moto e Paulão se machuca jogando bola, o que causa uma parada de dois meses na banda. Em 1998 sai Edu para a entrada de Tuca "Pés-de-Arara" no baixo, completando a formação que se mantém até os dias de hoje. Iniciam a produção do terceiro disco, Porém nessa época o cenário Brasileiro de Rock não estava em alta, o que dificultava contratos com grandes gravadoras acabam optando por uma produção independente. Cavalo abre sua gravadora, a Gabaju Records, e exatamente em Agosto de 1999 é lançado "$r. $uce$$o", o terceiro disco. Com participações como Adriana Lessa, Célso Viáfora, Luís Carlini, Mário Ribeiro, Neto Botelho, o disco vem um pouco mais recheado de baladas e canções críticas. A canção que dá título ao disco, "$r. $uce$$o", é bem recebida pelos fãs, fazendo uma critica direta ao mercado fonográfico, quanto ao seu lado mercantilista e comercial. Destacam-se ainda "A Minhoca Que Acendia o Rabo", a bem humorada "Domingo na Praia", "Essa Tal Tequila" e "O Verdadeiro Amor".


quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Pearl and Brass - Pearl and Brass - 2003. (Highly Recommended.)

Pearl Brass - Pearl Brass - 2003. (Highly Recommended.)
Galera esta é mais uma excelente postagem que antes de mais nada devo dizer que naum foi eu quem criou... Foi meu amigo e parceiro de blog "Dagon"... Do blog Hard & Heavy que esta nos meu parceiros. Como foi ele quem criou e sabe do que estava falando vou apenas reapassar com as palavras dele que diz: Olá meu povo, espero que tenham passado bem o fim de semana, vamos iniciar mais uma quente semana de inverno (no Rio a estação pediu as contas) com uma ótima banda de Hard Rock americana de um lugar pouco comum naquele país para bandas desse estilo, a Pensilvânia, que nós conhecemos aqui como a terra daquela galerinha barbuda toda de preto que vive sem as modernidades tecnólicas que tanto amamos, os Amish. Essa é uma daquelas bandas que é muito difícil conseguir maiores informações, nem mesmo aderiram a grande mania do My Space como a maioria de suas contemporâneas, álias até existe uma página dos caras mantida por um fã mas que não traz nada nescessariamente relevante. Até onde sei o grupo lançou esses dois albums postados aqui e não decretou seu fim vivendo desde do último lançamento de 2005 um longo período de hibernação. O Pearls and Brass não se prende a um estilo, sua música tem raízes fincadas na praia setentista com uma pegada Bluseira indo do Southern ao Stoner com muita facilidade e desenvoltura sendo o Hard Rock o pilar de sustentação, então tudo aqui tem muito peso e agradará com certeza aos amantes de Cream, Led, Sabbath, Skynyrd... Não entendeu? Então só baixando, hehe. Para tentar ser bem objetivo no que você vai ouvir aqui, digamos que seja uma deliciosa mistura de Hogjaw com Wolfmother, duas das melhores bandas que ouvi em 2010! O vocalista Randy Huth além de cantar bem toca muito sua guitarra fazendo uma bela base para os outros instrumentistas, álias vale ressaltar que para a gravação desses dois discos ele utiliza uma guitarra com 40 anos de idade fabricada pelo seu avô que trabalhava criando esses instrumentos na cidade de Nazareth, terra natal dos nossos heróis. Carimbo esses dois belos trabalhos com o selo de qualidade do Hard & Heavy, espero que gostem tanto quanto eu e claro deixem suas impressões, uma ótima semana a todos!


domingo, 8 de agosto de 2010

Sá, Rodrix & Guarabira - Passado Presente e Futuro - 1972.

Sá, Rodrix & Guarabira - Passado Presente e Futuro - 1972.
Pessoa mais um excelente disco que vale a pena ter na cloeção de preferencia sendo um bom e velho vinil, pra ser tocado e aproveitado com todo prazer que esse trio oferecia com suas músicas. Altamente recomendado... Rock rural mais de qualidade rsrssss.


Waterloo - First Battle - 1970. (Highly Recommended.)

First Battle - Waterloo - 1970. (Highly Recommended.)
Formada em 1969, Waterloo foi uma banda Belga de curta duração. Seu nome refere-se à aldeia, onde Napoleão sofreu sua derrota final em 1815. Esta foi a última batalha de Napoleão, mas desde que este álbum foi o álbum de estréia de Waterloo eles chamam de "First Batle" Primeira Batalha. Há um pouco de ironia aqui, porque foi também seu último álbum, e, portanto, de uma forma também sua última batalha. As músicas deste álbum são compostas por dez faixas do lançamento original, cinco faixas do álbum não-singles e uma faixa inédita. Apesar do fato de que a maioria das músicas do álbum são bastante curtas (3-4 minutos), quase todas elas contêm uma grande quantidade de incriveis, diversos e interessantes arranjos instrumentais.  Super recomendado meeesmo pessoas.


Mortification - Post Momentary Affliction - 1993.

Mortification - Post Momentary Affliction - 1993.
Post Momentary Affliction é o quarto lançamento e terceiro álbum de estúdio da banda Evangélica Mortification , lançado em 1993. O álbum volta ao thrash Mortification suas raízes, mas com os elementos de death metal ainda aparecendo na obra. Kkkkkkkk... Fala sério banda evangélica rsrsrss... Análise pela capa e ja vai ter uma idéia da verdadeira indole da banda... ouça o disco e terá certesa kkkkkkk... Té mais pessoas. Valeu pelo prestigio de vocês.



quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Diablo Swing Orchestra - Butcher's Ballroom - 2006.

Diablo Swing Orchestra - Butcher's Ballroom - 2006.
Isto ai pessoas, ai está mais um disco dessa lendaria banda que tem mais de 400 anos de existêcias, e que de acordo com a História, vem dos tempos da antiga Inquisição, realizada pela Igreja Católica. Som de primeira que eu recomendo com certesa. Té mais pessoas.



terça-feira, 3 de agosto de 2010

Iron Maiden - Powerslave 1984. (Recommended.)

Iron Maiden - Powerslave 1984. (Recommended.)
Powerslave é o quinto álbum de estúdio da banda de heavy metal Iron Maiden, lançado em 3 de setembro de 1984. Tendo Bruce Dickinson no vocal, Adrian Smith e Dave Murray nas guitarras, Steve Harris no baixo e Nicko McBrain na bateria, esse álbum, assim como o The Number of the Beast, é um dos expoentes do Iron Maiden. Marca uma época em que a formação estava muito entrosada e amiga, pois em anos anteriores a batalha de egos entre Steve Harris e Bruce Dickinson deixava sempre uma incerteza sobre a continuação de Bruce na banda. Gravado nas Bahamas e mixado nos Estados Unidos, o álbum tem sua abertura com "Aces High", uma canção sobre as lutas aéreas na Segunda Guerra Mundial. Logo depois tem "Two Minutes to Midnight", composta por Adrian Smith com letras de Bruce, tratando da constante ameaça de uma guerra nuclear que pairava na época. Logo após, uma canção instrumental ao estilo egípcio do álbum, chamado "Losfer Words (Big' Orra)". Depois as canções "Flash of the Blade", "The Duellists" e "Back in the Village". Segue "Powerslave", composta apenas por Bruce Dickinson e que trata de temas egípcios e como as pessoas podem ficar "escravas do poder". Por fim, a "saga" "Rime of the Ancient Mariner", uma longa canção de treze minutos sobre um homem amaldiçoado por uma sereia da morte. Foi escrita a partir do poema homônimo do poeta romântico inglês do século XVIII, Samuel Taylor Coleridge. Em 1995 foi relançado com um CD bônus. Em 1998 uma nova edição foi lançada, contendo uma faixa multimídia com os vídeos musicais de "Aces High" e "2 Minutes to Midnight".


segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Rory Gallagher - Calling Card - 1976. (Extremely Recommended.)

Rory Gallagher - Calling Card - 1976. (Extremely Recommended.)
Rory Gallagher é irlandês de nascimento e iniciou o seu sucesso como guitarrista, após formar o “power trio” Taste em 1965. O Taste foi uma banda irlandesa de blues pesado e com elementos de jazz e rock, que alcançou fama no final dos anos 1960. Após participar do Festival da Ilha de Wight em 1970, famoso festival do qual também participaram Jimi Hendrix, The Who, Emerson, Lake & Palmer, Miles Davis e muitos outros, ele encerrou a banda, formou um power trio com Gerry McAvoy, baixista que o acompanhou por quase toda a sua carreira e Wilgar Campbell na bateria e partiu para uma vitoriosa carreira solo. Lançou seu primeiro álbum, chamado apenas Rory Gallagher e a partir daí, sua carreira começou a decolar e no mesmo ano de 1971 lançou seu segundo álbum, chamado Deuce onde o objetivo principal era gravar as músicas como um show ao vivo e o resultado foi um álbum com pouca produção e totalmente elétrico. Palavras do próprio Rory: "Eu amo tocar para o povo. O público significa muito para mim. Não é uma coisa vazia. Eu amo gravar também, mas preciso de um contato regular e frequente com o público, porque ele me dá energia!!!" Daí é possível entender o por quê da gravação de Deuce ao vivo no estúdio e sem overdubs. É desse disco a canção "Crest of a Wave" que tem uma melodia fantástica, um vocal poderoso, forte e um solo de "slide" onde Rory mostra um pouco da sua técnica com sua Fender Stratocaster, sem pedais, que o acompanhou por toda carreira desde os 15 anos de idade e também "In Your Town", que se tornou um clássico de seu repertório. Sentindo e sabendo que o seu potencial ao vivo era fantástico, Rory gravou vários shows de sua turnê de 1972 e lançou o álbum Live! in Europe. Esse disco ficou entre os tops na Inglaterra e levou a Rory ser eleito músico do ano pelo jornal Melody Maker e também foi eleito o melhor guitarrista deste mesmo ano. Esse disco foi o primeiro dele lançado no Brasil. O disco é uma pedrada e abre com uma faixa ("Messin' With The Kid") cujo trabalho de guitarra, poderia tranquilamente ser classificado como uma aula. Em 1974, agora com Rod de'Ath na bateria e Lou Martin nos teclados, lançou um de seus discos mais conhecidos; o duplo e também ao vivo, Irish Tour que também virou um filme. Neste Rory esta mais visceral e mais largado como ele gostava de ser. Rory era um guitarista de poucos efeitos e conhecia como poucos, timbragens de um instrumento e um bom amplificador. Tanto que seus amplificadores principais, um Vox AC30 e um Fender Bassman, viraram febre muitos anos depois. A trajetória de Rory Gallagher seguiu com mais 14 trabalhos, entre eles o disco Calling Card, de 1976, seu 8º álbum, que foi gravado em Munique, na Alemanha e produzido por Roger Glover, baixista do Deep Purple. Certa vez, Roger Glover lembrando as gravações com Rory disse: "…uma vez, tarde da noite, Rory estava ao microfone, no estúdio, fazendo uma espécie de sermão, como um pastor, chamando a todos para repetir suas palavras e chamando a Deus. Isto durou toda a noite sempre com muita bebida e risadas. É isto que fez dele um grande astro, um grande 'performer' ou seja, a sua habilidade em divertir o público, independente da ocasião." Em 1978, Rory voltou ao formato de power trio e recrutou Ted McKenna, ex-baterista da Alex Harvey Band. Gravaram o álbum Photo Finish, com um trabalho maravilhoso de slide guitar. Com esta formação, Rory ainda gravou mais dois discos e depois deu uma parada, vindo a lançar mais tres álbuns, sendo o último Fresh Evidence em 1990. Infelizmente, depois de 16 álbuns gravados, muitos shows e grande reconhecimento dentro da comunidade musical Rory Gallagher faleceu em 14 de junho de 1995, depois de contrair uma infecção hospitalar, quando se recuperava de uma cirurgia de transplante de fígado. Bono Vox (U2) na época falou: “Rory foi um dos grandes guitarristas de todos os tempos e um grande cavalheiro, uma pessoa muito simples.” Certa ocasião, Jimmy Hendrix estava sendo entrevistado por um jornalista, e este perguntou; "Como é a sensação de ser o melhor guitarrista do mundo ?" E Jimmy disparou: "Eu não sei. Vá perguntar a Rory Gallagher." Em seu enterro, pelas ruas de Cork, cidade irlandesa, Rory foi reverenciado por uma multidão. Rory Gallagher pôs a Irlanda no mapa da música rock mundial, foi um dos grandes guitarristas do rock e do blues e merecia muito mais que apenas a lembrança de seus fãs.



Stone - Stone (1988).

Stone - Stone (1988).
Stone era um thrash metal formada em Kerava , Finlândia , em meados da década de 1980. They released four albums and one live album during the late 1980s and early 1990s, before disbanding in 1991 to pursue different musical directions. Eles lançaram quatro álbuns e um álbum ao vivo durante o final dos anos 1980 e início de 1990, antes da dissolução em 1991, para exercer diferentes direções musicais. Stone reunited to play a final set of concerts in 2000, but parted ways again soon afterwards. Stone reuniu para jogar um jogo final de concertos em 2000, mas se separaram novamente logo depois. In 2008, Stone made five "re-union"/comeback appearances. Em 2008, Stone fez cinco "re-união" aparências / retorno. Despite their rather short career, Stone's legacy has provided inspiration for many of the countless metal bands who emerged during the popularity explosion of the genre during the 1990s. Apesar da sua curta carreira em vez disso, o legado Stone forneceu a inspiração para muitos dos incontáveis metal bandas que surgiram durante a explosão da popularidade do gênero na década de 1990. Perhaps the most notable of these bands is Children of Bodom , whose lead guitarist Alexi Laiho credits former Stone member and current Sinergy and Children of Bodom bandmate Roope Latvala as a major influence on his playing. Talvez o mais notável destas bandas é Children of Bodom , cujo guitarrista Alexi Laiho créditos Stone e ex-membro do actual Sinergy e Children of Bodom colega Roope Latvala como uma grande influência em seu jogo.


Kiss - Carnival Of Souls (The Final Sessions) - 1996.

Carnival of Souls: The Final Sessions é o décimo sétimo álbum de estúdio da banda de hard rock, Kiss.Este foi o último álbum do Kiss antes da volta dos membros originais e das maquiagens. Este álbum foi muito influenciado pelo grunge de Seattle (em especial Alice in Chains) e por isso não foi muito bem aceito pelos fãs, apesar de ser um ótimo disco. Este disco também marca o primeiro trabalho de Bruce Kulick nos vocais, em "I Walk Alone". O disco tem uma mistura de estilos musicais além da forte influencia do grunge, os estilos que aparecem são doom metal ("Jungle", "Seductio Of The Innocent"), rock progressivo ("I Walk Alone"), thrash metal ("Hate"), heavy metal ("Rain", "In The Mirror"), etc. É um dos únicos álbuns do Kiss que não recebeu certifição da RIAA e também não teve turnê (O outro foi "Music From "The Elder"). As músicas "Childhood's End" e "In My Head" que foram escritas por Gene Simmons com a colaboração de dois ex-membros da banda Black N' Blue, o vocalista Jaime St. James e o guitarrista Tommy Thayer, que entrou no lugar de Ace Frehley no Kiss em 2003.


sábado, 31 de julho de 2010

Earthquake - The Truth - 1991. (Recommended.)

Earthquake - The Truth - 1991. (Recommended.)
Galera essa banda é tão desconhecida que nem no Google não se acha nada sobre ela... Ou seja, aqui você confere coisas totalmente underground como essa super banda. Adorei o som dos caras, recomendo a todos, principalmente aos que tiverem acesso aos originais, que comprem porque vale a pena meeesmo. Té mais pessoas


Erotikill - Virgin Speed (1990).

Erotikill - Virgin Speed (1990).
Provavelmente uma das mais obscuras bandas de thrash britânica, Krusher Energética jogou alguns dos mais pesados do thrash metal em sua versão full-length. Path To Oblivion é musicalmente bastante consistente e os ataques brutais é bastante convincente que, ao mesmo tempo quase que totalmente desprovida de qualquer originalidade , exceto para os vocais que são bastante divertida overdone os rosnados baixos e dar este álbum alguns ares cómicos à sentir involuntário.Como disse, embora a música em geral é extremamente pesado e batendo, principalmente soa muito Sarney sem muita diferença entre as faixas individuais, o que só faz deste álbum um pouco cansativo. Krusher Energética certamente parecia ter uma direção clara em sua música, desta vez o resultado foi impressionante


quinta-feira, 29 de julho de 2010

*Divulgando a arte escrita de Elaine Thrash.

                                                     Elaine Thrash - DA DEPRESSÃO À CRIAÇÃO - 2010.
                                   
DA DEPRESSÃO À CRIAÇÃO é uma obra em que a autora se faz de fato presente do início ao fim uma vez que o traçado da estrutura inicia-se no ano 2000 e vem até o ano de 2010, sempre permeando os seus sentimentos, reflexões, sensações, e humores. Trata-se de um tratado poético, onde além dos versos apresentados, há também algumas quase crônicas. Sim, quase crônicas, uma vez que apresentam um universo do campo do real, ampliam-se quase a um olhar pontual, no entanto, escoam-se pelas vias da vivência e sensações. A obra se faz interessante e fundamental uma vez que narra todo um processo criador de uma autora à beira de incontáveis sensações e vontades e não-vontades. Para quem se interessa pelo processo da criação e pelo que pode mover um autor á escrita, é uma obra essencial. E para quem gosta de ler versos e pontos de vistas bem fundamentados, também. Elaine Thrash é atriz, apresentadora, cantora, compositora, dançarina, tradutora, desenhista, jornalista e, UFA, escritora. Uma artista plural. É formada em Letras pela Unimesp-FIG e estudou na Recriarte, onde se profissionalizou atriz. Também se profissionalizou em Musical para Teatro. Da depressão à criação é a sua primeira obra. O livro pode ser encontrado tanto nas livrarias como pelos sites das mesmas na internet.
E quem quiser comprar da própria autora, com autógrafo, basta entrar em contato através do email: elaineoliveirarte@globomail.com

Steel Fury - Lesser of Two Evils 1989. (Very Recommended.)

Steel Fury - Lesser of Two Evils 1989. (Very Recommended.)
Steel Fury é um gruo de thrash um pouco desconhecido, não tenho idéia, mas aconteceu de eu cruzar com seu primeiro e único álbum e tive que dar um tiro. Apesar de ouvir isso, eu de repente deparei com este ... Eu estava olhando para a capa do álbum eo nome da banda, me lembrou de um ataque de Pokemon e do inferno, mesmo a arte do álbum parecia começar a Equipe Rocket decolou na velocidade da luz. Steel Fury toca principalmente um estilo thrash com outras influências como o speed metal tradicional e power metal tradicional. Quase como Pikachu quando ele tem todos os ataques poderosos como o raio e Trovão sendo o thrash influências, mas continua a ter os tradicionais ataques de metal , mas são menos importantes e menos utilizados. O guitarrista Tim Berryhill é essencialmente Tenente Surge, tocando os riffs rápidos com alguma complexidade, como sua academia você tem que navegar em primeiro lugar, e ainda desencadeou furor e carnificina com riffs memoráveis e solos inacreditáveis. O baixista / vocalista Tim Casin é como Professor Carvalho, a guiá-lo através de sua viagem com a excelente voz que é perfeita para speed / thrash / estilo tradicional, mais rápido passeado passagens encaixe perfeitamente com seus primeiros extremos Anthrax-like. Também gosto de Carvalho com o seu toque de baixo que é muito importante em todo o álbum e aumentando a intensidade mas apenas jogar o papel mais importante, como aberturas e interlúdios de músicas. Pesados e sólidos bateria apenas acrescentando ao ritmo intenso de espessura e é como Brock, ajudando Pergunte como Oak em toda esta jornada, voando a uma velocidade hiper, por vezes, ainda assim variando-se e manter um ritmo consistente. As canções aqui são memoráveis, embora às vezes correndo em um outro plano, dificilmente haverá um momento de tédio de ser encontrado. Nowhere to Hide começa um pouco ameaçador e loucura com alguns riffs pesados e bateria agressiva e sólida, o trabalho é conduzir de novo para ser notado ... É quase como uma mini-Zapdos na ponta de cada dedo cantando notas elétrica aos milhares. Esse amigos é o rápido Fury típico Steel thrasher ritmo, mas é notável com as influências contraditórias; soa loucura com algum metal tradicional influências essencialmente como uma batalha Pokemon entre o eletrodo e um Rattata fraco onde sopra o eletrodo para cima e tira o Rattata com a mais proeminente influência thrash. Em geral, este é um lançamento muito sólido, muito embora desconhecido ou difícil de encontrar. Eu recomendo altamente recebendo esta a oportunidade, porque Steel Fury é uma daquelas bandas esquecidas clássico que merece ser reconhecido e amado. A produção é perfeita e eu certamente não poderia ter pedido qualquer coisa menos com tudo o que soa fresco e limpo ainda continua a ter a velha escola presente. Esta é realmente uma pérola esquecida de um álbum, porra sólidos thrash metal com bastante velocidade e metal tradicional influências para ser encontrado. Isso é tudo sobre o homem riffs! Steel Fury. Pessoas quem achar isso original compre e guarda num empreste nem pra vó... Muito bom mesmooo.


Ramones - Loco Live - 1991. (Very Recommended.)

Ramones - Loco Live - 1991. (Very Recommended.)
Loco Live é o segundo álbum ao vivo dos Ramones. Este disco foi lançado em duas versões: européia (Chrysalis) que foi também lançada no Brasil, contém 33 faixas, entre elas: "Don't Bust My Chops", "Palisades Park", "Love Kills" e "Ignorance Is Bliss". Já na versão americana (Sire), "I Just Wanna Have Something to Do", "Havana Affair", "I Don't Wanna Go Down to the Basement" e "Carbona Not Glue", estão incluídas.O jovem CJ Ramone foi recrutado para assumir o baixo da banda no lugar de Dee Dee Ramone, que queria seguir uma carreira no rap, com o pseudônimo de Dee Dee King. CJ, pra ser um Ramone, teve de fugir da Marinha Americana, da qual fazia parte. Na abertura do disco, a clássica "The Good, The Bad and The Ugly" do italiano Ennio Morricone e os gritos de "Hey Ho, Let´s Go!" feitos pelo público, mostram porque este é um dos melhores álbuns ao vivo da década de 90. Loco Live seria lançado na América do Sul, onde estão os fãs mais fiéis da banda, mas devido a agenda do grupo estar lotada, eles resolveram gravar mesmo na Espanha.


Diablo Swing Orchestra - Sing Along Songs For The Damned And Delirious - 2009.

Diablo Swing Orchestra - Sing Along Songs For The Damned And Delirious - 2009.  (Recommended.)
Pessoas essa banda me foi indicada por uma pessoa muito bacana que eu conheci de Auê por ai e que adorei ter conhecido, tô falando da senhorita Lais Cerqueira rsrss... Cara nunca nem tinha ouvido falar dessa banda até mesmo porque ando mais enferrujado de rock que as patrolas que usara, pra asfaltar a cidade de "Ur"... kkkkk. Mais gostei bastante da banda e resolvi compartilhar com vocês ok... Como naum conhecia nada sobra a bando o geito foi buscar no Google que diz: A Diablo Swing Orchestra remonta a 1501, na Suécia, onde a história narra o conto de uma orquestra que tocava como nenhuma outra. Com música tão sedutora e divina que atraiu públicos de todo o país, e as pessoas de todas as classes sociais os colocaram em seus corações. Suas apresentações rapidamente ganharam a reputação de serem selvagens e fortes, a orquestra ganhou uma multidão de seguidores em torno deles. Sua reputação de enfeitiçar as pessoas, porém, ficou mal vistas pelos olhos da Igreja que a referia com "orquestra do diabo", condenando os músicos à morte por enforcamento. Contudo, supostamente, foi deixada uma carta aos seus descendentes para que reunissem a orquestra. Após minuciosas discussões foi acordado que a música deveria ser como uma versão moderna da velha orquestra. Hummm então ta explicado o porque de eu ter gostado tanto rsrsrss. Galera curtam e valorize seus artistas, compre o original sempre que possivel.


sábado, 24 de julho de 2010

Iron Maiden - The X Factor - 1995.

Iron Maiden - The X Factor - 1995.
The X Factor é o décimo álbum de estúdio da banda de heavy metal Iron Maiden, lançado em 2 de outubro de 1995. Este álbum foi o primeiro do Iron Maiden com o vocalista Blaze Bayley, que antes era da banda Wolfsbane, escolhido por Steve Harris após lembrar-se uma apresentação do cantor numa abertura de um Show do Iron Maiden, anos antes, entrando no lugar do Bruce Dickinson, que deixou a banda para se dedicar a seu trabalho solo. Obviamente a mudança de vocalista, uma década depois da saída de Paul Di'Anno causou grande impacto nos fãs, juntado com o estilo mais sombrio que o tom de voz de Blaze, bem mais profunda que de Bruce, fez com que a banda mudasse um pouco de estilo. Apesar de críticas fortes a essa nova época, a recepção geral foi de um bom álbum, ao menos sempre considerado melhor que No Prayer for the Dying, lançado em 1990, sendo o penúltimo trabalho de Bruce na banda. O nome The X Factor tem duas inspirações, a primeira do algarismo romano X significar dez, sendo o décimo álbum da banda, e o Factor X ter sido, de acordo com o Produtor, Nigel Green, a entrada do novo e dedicado vocalista. Foi o segundo álbum, depois de Piece of Mind, em que o título não fosse também título de uma música, como também não figura em nenhuma letra das músicas do álbum.


Sá, Rodrix & Guarabira - Terra - 1973.

Sá, Rodrix & Guarabira - Terra - 1973.
No ano de 1971 surgiu no Brasil um trio que, à sua maneira, marcou as vidas de todos com que eles cruzaram, ouviram suas canções e viveram os seus momentos: chamava-se SÁ, RODRIX & GUARABYRA, um (como se chamava na época) super group, formado por três artistas (Luiz Carlos SÁ, Zé RODRIX & Guttemberg GUARABYRA), que vinham desenvolvendo suas carreiras solo, mas que, movido pela amizade que os unia, pela identidade de seus estilos de composição e por seu modo de vida, decidiram em um disco que, na época, foi uma surpresa inesperada, graças à verve, ao brilho e ao inesperado e extremamente artístico resultado dessa união. Foram, afinal, não um, mas dois discos (PASSADO, PRESENTE, FUTURO e TERRA) lançados pela EMI-Odeon, além de algumas participações especiais em algumas coletâneas, entre as quais a do Festival de Juiz de Fora de 1972. Aliás, de festivais eles sempre tiveram muito à contar: Luiz Carlos Sá era o mais ativo participante dos mesmos, tendo sempre uma ou duas canções classificadas; foi em um FIC que GUARABYRA levou o prêmio máximo com MARGARIDA e, alguns anos depois, foi o mesmo Festival de Juiz de Fora que Zé RODRIX (em parceria com Tavito) emplacou sob vaias a canção CASA NO CAMPO, mais tarde gravada por Elis Regina, e da qual uma parte da crítica musical carioca pinçou a expressão ‘Rock Rural’ para classificar a música que SÁ, RODRIX, GUARABYRA faziam. Foi uma carreira intensa. De seu primeiro show no Teatro Opinião, com casas cheias todas as noites, os três partiram para o circuito da época: televisões, universidades, clubes, viajando pelo Brasil inteiro da maneira, como se fazia na época em que nada era mega, a não ser os problemas. Mas as músicas eram excepcionalmente boas: AMA TEU VIZINHO, PRIMEIRA CANÇÃO DA ESTRADA, CUMPADRE MEU, HOJE AINDA É DIA DE ROCK. No fim de seu primeiro ano juntos, mudaram-se para São Paulo, atendendo a um convite do amigo Rogério Duprat, que precisava dos três em sua produtora de comerciais. E no segundo LP apareceram ANOS SESSENTA, MESTRE JONAS, PINDURADO NO VAPOR e BLUE RIVIERA. Em São Paulo, por divergências ideológicas (Zé RODRIX começou a detestar estradas, viagens, hotéis, chuveiros de hotéis, camas de hotéis, etc.) e, depois de quase dois anos completos de vida em comum, os três se separaram, indo cada um perseguir a sua carreira solo. Enquanto Zé RODRIX enfrentava as vicissitudes do sucesso popular (nos mesmos hotéis que detestava) com diversos primeiros lugares nas paradas de sucesso, produzido pelas mãos dos bandidos que na época eram amadores e hoje são profissionais, SÁ e GUARABYRA andavam cada um tentando levar sua carreira solo da maneira que podiam e, num belo dia, em um show, decidiram voltar a cantar juntos. Foi uma decisão acertadíssima: nos anos que se seguiram, os dois se tornaram o parâmetro de uma música com raízes no interior e na cidade, desenvolvimento daquele mesmo rock rural que haviam criado enquanto trio. Mas com muito mais proficiência: esses anos marcaram o Brasil com uma verdadeira enxurrada de sucessos, de que são exemplo SOBRADINHO, ESPANHOLA e as músicas feitas para a novela ROQUE SANTEIRO (ABC DE ROQUE SANTEIRO, DONA E VERDADES E MENTIRAS). Isso além de músicas que compuseram para outros intérpretes, como CAÇADOR DE MIM e outras. Enquanto SÁ e GUARABYRA viajavam pelos caminhos do sertão, Zé RODRIX dava a sua contribuição à publicidade brasileira de maneira constante, percorrendo uma estrada que os três haviam iniciado juntos e que tanto SÁ quanto GUARABYRA também percorreram de maneira mais alternativa. No dia em que SÁ e GUARABYRA completaram dez anos, Zé RODRIX apareceu no show, em um circo perto do Anhembi. Quando se completaram vinte e cinco anos de rock rural, SÁ e GUARABYRA convidaram Zé RODRIX para fazer um arranjo no disco. Ele fez e acabaram cantando juntos umas três músicas nesse mesmo disco. Mas foi só agora, quando seu encontro inicial completa trinta anos, que decidiram colocar o pé na estrada. Mais experiente, mais vivido e rigorosamente disposto a retomar com o mesmo ímpeto de antes a vida do trio, escolheram o Rock in Rio para estréia nacional de sua tour SÁ, RODRIX, GUARABYRA – REENCONTRO: 30 ANOS DE ROCK RURAL, na qual acompanhados por uma banda, não só revivem os grandes sucessos juntos e separados, como também mostram em primeira mão para o público a nova safra de canções que tem produzido e que estão no CD que lançam simultaneamente com a tour. A primeira dessas canções não por acaso, chama-se OUTRA VEZ NA ESTRADA e lista, com muita propriedade a poesia, as razões e motivos que reúnem depois de 30 anos esses amigos de longa data. E surgiram na seqüência AQUI SE FAZ, AQUI SE PAGA, um levantamento bem humorado das vicissitudes do homem contemporâneo; JESUS NUMA MOTO, um tenso e emocional rock-balada , que fala dos desejos ocultos em todos nós; e NO TEMPO DE NOSSOS SONHOS (NOVA ERA), um animado rock sobre os amores do passado que insistem em bater à nossa porta.  É como se o tempo tivesse parado e o passado ao mesmo tempo: e os filhos de seus seguidores vão, enfim, poder saber ao vivo o que é aquilo que seus pais de vez em quando colocam para tocar na sua velha vitrola de vinil.


sexta-feira, 23 de julho de 2010

Mortification - Blood World - 1994.

Mortification - Blood World - 1994.
Rádio


Veja Mais Fotos Mortification é uma banda australiana de death metal e thrash metal, formada em 1990 a partir da banda Lightforce por Steve Rowe (baixo e vocal), Cameron Hall (guitarra) e Jayson Sherlock. Tornaram-se uma das primeiras bandas de metal extremo cristã. No final dos anos 1980, o baixista Steve Rowe tocava na banda de metal Lightforce, com sucesso em seu país. Por volta de 1990 a banda terminou, porém Steve permanecia com vontade de tocar heavy metal com uma mensagem cristã, e foi acompanhado pelo baterista Jayson Sherlock e pelo guitarrista Cameron Hall. Lançaram o trabalho demo em 1990 Break The Curse sob o nome da Lightforce, na qual Steve era vocalista. Com esse lançamento, a banda mudou musicalmente para o thrash metal, com uma influência do death metal também. Steve percebeu que a nova direção musical da banda exigia um novo nome, e então o grupo passou a se chamar Mortification. Break The Curse foi remixado e relançado em 1994 pela Nuclear Blast Records, com uma faixa bônus chamada "Butchered Mutilation". Em 1991 lançaram o álbum Mortification. Michael Carlisle assumiu o posto de guitarrista com a saída de Cameron Hall, e os rumos musicais da banda mudaram mais uma vez. Muitas músicas da demo “Break The Curse” foram usadas no novo álbum, porém com uma pegada mais pesada. Steve também provou ser um excelente vocalista de death metal, mostrando um bom desempenho no álbum. Em 1992, a banda assinou um contrato com a Nuclear Blast Records da Alemanha, que trabalhava com os maiores nomes do death metal. Então o Mortification lançou seu segundo álbum, Scrolls Of The Megilloth, que teve grande sucesso e é considerado um clássico no cenário do metal cristão. Uma coletânea de vídeos que continha oito trabalhos da banda também foi lançada. A banda conquistou um novo terreno com seu lançamento de 1993 Post Momentary Afflictions. O mais notável foi o novo modo dos vocais de Steve, que funcionou muito bem. A banda também experimentou o metal industrial, que eles não tinham explorado antes. Jayson Sherlock teve sua última apresentação com a banda no Blackstump Festival '93, e a apresentação foi lançada em CD e VHS com o nome Live Planetarium. Jayson entrou para a banda Paramaecium, e o baterista passou a ser Phil Gibson. Mudanças no som e criação da Rowe Productions. A nova formação lançou um novo álbum em 1994, Blood World. A nova direção seguida foi a do groove/thrash ao invés do death metal, e Steve passou a usar mais os gritos do que os rosnados. Apesar da grande mudança, o álbum teve grande sucesso nos Estados Unidos, mas infelizmente Phil e Michael deixaram a banda, e Steve permaneceu por si só. 1994 também foi o nascimento da gravadora de Steve, a Rowe Productions. Juntamente com muitos amigos, Steve gravou o álbum Primitive Rhythm Machine, que foi lançado em 1995, que mistura vários estilos usados anteriormente com uma percussão tribal. Nesse ano também foi lançado a coletânea Best Of 5 Years, que reunia músicas dos trabalhos feitos anteriormente. Duas músicas de cada álbum fizeram uma boa introdução a novos fãs e mostraram as inovações da banda. Esse foi o último lançamento do Mortification pela Intense Records. Em 1996, Steve começou sua busca por um novo baterista e um novo guitarrista. O posto de baterista foi assumido pelo amigo de longa data Keith Bannister, que se tornou cristão durante a primeira turnê do Mortification em 1990. O novo guitarrista passou a ser Lincoln Bowen. Juntos, eles gravaram o álbum EnVision EvAngeline. Esse trabalho mesclava elementos do classic metal, thrash metal e um pouco de punk em algumas músicas. A primeira faixa é um épico de mais de dezoito minutos acerca da crucificação de Jesus Cristo do ponto de vista dos anjos. Dois trabalhos ao vivo também foram lançados: Noah sat down and listened to the Mortification live ep while having a coffee e Live Without Fear. Ao contrário de Live Planetarium, esses álbums foram gravados em pequenos locais, demonstrando o verdadeiro som da banda. O vídeo da banda EnVidion foi lançado, contendo diversos vídeoclipes e entrevistas. Nesse ano Steve também lançou o livro Minstrel. Tragédia na banda e recuperação. O próximo ano seria um período de grande tragédia para o Mortification. Steve teve leucemia, o que o deixaria fora de atividade por um ano e meio. Esteve próximo da morte várias vezes, mas conseguiu vencer a doença. Isso tudo aconteceu apesar de os médicos lhe darem apenas algumas horas de vida e de um transplante de medula aparentemente fracassado. Logo após a recuperação de Steve, o Mortification gravou e lançou Triumph of Mercy em 1998, que foi lançado pela Rowe Productions nos Estados Unidos e pela Nuclear Blast Alemanha na Europa. Esse álbum estava centrado no que Steve e a banda passaram nos dois anos anteriores. O estilo do álbum mistura o groove e o thrash. 1999 foi o ano do lançamento de Hammer of God, que assim como o trabalho anterior era uma mistura de groove e thrash. Os elementos de death haviam sido deixados pela banda, mas a mensagem permanecia a mesma. Letras com temor a Deus. Em 2000 o Mortification lançou outro álbum ao vivo, 10 Years: Live Not Dead, que reunia canções dos últimos álbuns e a nova Dead Man Walking. Foi gravado no Blackstump Festival 1999 com um som de grande qualidade. Keith Bannister deixou a banda e em seu lugar entrou o adolescente Adam Zaffarese.